Uma noite romântica numa casa mal assombrada

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Parece meme. Confesso que um dos filmes que mais gosto de ver para relaxar é um bom terror em que uma família feliz muda para uma casa mal assombrada. Além de gostar, assisto para estudar. Sim, estudo filmes e séries, amo. Tem vários elementos para uma boa escrita.

Mas o que me fez escrever esse texto foi uma cena inusitada de um desses filmes: o marido prepara um jantar romântico. A esposa, assombrada por visões, não sabe se a cena é real ou alucinação e fica feliz. E a noite transcorre bem.

O que quero passar com essa cena é que sim, podemos, nós, como escritores, fazer algo diferente da mesmice de histórias de romance, terror ou qualquer outro gênero. Talvez um casal feliz não combine com uma casa mal assombrada, mas o roteirista fez combinar. Então, ser diferente é a chave do sucesso? Talvez sim!

Ver a pessoa entrando em um porão, sabendo que lá tem algo sobrenatural, nos prende no sofá. É ótimo. Então, se um dia você for escrever algo, seja surreal. Se inspire com coisas malucas, como eu. Ainda não escrevi meu conto de terror, mas quero muito. E filmes assim ajudam a fugir do óbvio.

Voltando ao jantar romântico, esse casal que passava por dificuldades na relação decidiram se mudar para uma casa onde havia tido um assassinato. Sem ver o fim do filme dá para perceber que não vai dar certo.

Mas é esse tipo de roteiro que me atrai. Então, escritores, fujam do óbvio. Na escrita e na vida. Arrisque sempre.

Outras publicações

Rolar para cima