Redes Sociais X Paz Mental

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Quem já teve alguma rede social hackeada põe o dedo aqui que a casinha vai feeeeechar!!

Pois é, eu tive. Algum desocupado do sul da Ásia, comendo seu sanduiche, engordando na frente de um super computador, viu meu Instagram e falou: Ah, vou hackear essa aí!

E tentou com força. Foi um sufoco, perdi meu Youtube e minha página autoral no Facebook. E quase perdi o Instagram. Ainda tentaram me tirar o Gmail e o Hotmail. Gente, qual a utilidade disso? No que minhas redes agregariam? Nada! Puro prazer talvez. Mas depois do nervoso e da dor de ter perdido uma página que lutei tanto para erguer e das senhas alteradas com sucesso me veio um questionamento super importante.

Até onde você tem que ir para ter sucesso? Quantas hashtags usadas para engajamento, publicações patrocinadas, comentários e seguidores? Qual o limite da sua paz mental?

O meu chegou com toda essa história. Decidi tornar minhas redes privadas. Hoje não engajo mais uma publicação. Antes eram 3 a 4 posts por semana. Hoje não me preocupo tanto com isso. Preciso da minha paz. Da minha saúde. Ainda escrevo minhas poesias, meus contos curtinhos. Mas não posto com frequência. Não tem necessidade. Quem gosta realmente do meu trabalho me vê, mesmo que poucas vezes no mês. E hoje para mim, isso é o que importa.

Ver tudo o que você lutou para ter, indo por ralo a baixo é desconfortante e trágico. Ainda bem que existem alguns mecanismos de confirmação por código de SMS que ajudou muito. Mas o stress é impagável.

Uma dica, cuidem e observem quem te segue. O número importa sim e é legal. Mas não é prioridade. Inverti as ordens e hoje vivo tranquila. Exclui quase 400 pessoas que nem sabia pronunciar o nome e que não fazia ideia do porque estavam ali, me seguindo. Isso é paz. Você estar no controle.

Mude sempre suas senhas, faça senhas aleatórias, nada de nomes e datas pessoais. Guarde-as num grupinho de whatsapp. Controle quem te vê. E durma em paz. A internet não é um lugar ruim. Dá para navegar, trabalhar, vender, comprar, engajar, mas com cuidado.

Ruim é o cara lá do fim do mundo, que pode destruir sua vida. Por simples prazer, para se divertir numa manhã qualquer.

 

Um rímel, um café e um textão é a coluna semanal de Juh Hunzicker

Outras publicações

Rolar para cima