Visita de quarto grau às três

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Os extraterrestres vieram buscar Fábio às três da manhã de uma sexta-feira. Bateram na porta, cordiais, e foram recebidos com chá quente feito para um ser que não conseguia pregar os olhos. Queriam saber sobre isso e aquilo. E também sobre o que estava no meio entre isso e aquilo.

__ Fui demitido ontem. Alegaram corte de gastos. __ informou ele, solene. __ Não era registrado, sabe? Sai com uma mão na frente e a outra atrás. Conclusão: Logo, logo, vou ser despejado da casa, já que não há meio de pagar o aluguel deste mês. Mas sou doador universal, amigão!

__ E não tem nenhum parente próximo que possa te ajudar, senhor? __ perguntou um dos verdinhos como quem não quer nada.

__ Os mais próximos moram a quilômetros daqui e, do jeito que os preços de tudo estão nas alturas, eles têm que venderem um rim para me fazerem apenas uma visita e eu os dois e um pedaço do pulmão se quiser vê-los. E é ver mesmo, entende?! Ajudar já é outra coisa.

Houve uma troca de olhares que passou despercebida por parte de Fábio. Talvez o seu chá estivesse delicioso demais para tal ato.

__   A ficha que temos diz que é divorciado. Procede?

__ Sim, ela disse que a crise de depressão que tive mês passado foi frescura, bateu a porta e bye-bye.

__ E há mais algum problema de saúde que o senhor queira nos informar?

__ Que eu saiba não, mas tambnão sei quando foi a última vez que me consultei com o doutor, meu rapaz. Sabe como é, não?! A vida é tão corrida que você só percebe que precisava fazer tal coisa depois que morre.

__ Ah, certo, senhor. – Uma mísera pausa seguida de: __  Por um acaso tem filhos?

__ Sim, uma. criada já. Casou-se com um riquinho metido e se mudou para outro país. Nem liga para saber se eu vivo ou morto… Bem, se ela ligar agora não vou ter celular para atender. Tive que vender o meu para fazer metade da compra básica do mês. metade, acredita? Nem terminei de pagar as prestações daquela merda e ele me rendeu metade de uma comprinha! É uma tremenda palhaçada, mas fico tentando pensar que poderia ser pior. Quase nunca melhora, mas piorar sempre pode.

__ Uma pena, senhor. __  Eles não soaram muito penosos, no entanto Fábio tinha olhos apenas para a caderneta que lhe foi estendida juntamente com uma caneta bonita. __  Antes de concluirmos, poderia assinar este termo?

__ Desculpe, cara, não me dou muito bem com essa coisa de ler ainda e minha professora diz que a gente não deve assinar nada sem ler. Então, se tiver com pressa deixa o papel aqui e vem buscar mais tarde. Sabe, bem mais tarde, porque é letra por letra. Palavra por palavra. Frase por frase. E daí você tem que parar uns minutos para entender. Não é fácil, não!

Outra troca sutil de olhares.

Outra bebericada sedenta no chá.

__  Nós que sentimos muito pelo incômodo, senhor. Acabamos de notar que não sabemos o que viemos fazer aqui.

Eu também não sei, pensou ele, mas não disse.

Já tinha dito muito.

Thalita Cristiane da Silva

Thalita Cristiane da Silva

Outras publicações

Rolar para cima