Sou muito

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Um dia eu descobri que sou muito. Percebi que as belas flores que eu costumava adorar na verdade eram de plástico. Entendi que as vezes o sorriso que admiro em certa pessoa foi fabricado trezentas vezes antes de sair de casa. Vi que os conhecidos podem se tornarem estranhos quando quiserem. Notei que crescer é contemplar uma podridão que antes, aos olhos infantis, era invisível. Dei mais valor a mim e a minha solidão pacífica. Compreendi que preciso dar de ombros aos rasos que já decidiram serem rasos para sempre. Porque um dia eu descobri que sou muito. E tudo bem.

Thalita Cristiane da Silva

Thalita Cristiane da Silva

Outras publicações

Rolar para cima