Aponta pro QR CODE e vai

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Quem nunca ouviu falar quando era criança que no futuro teríamos um CHIP para nos monitorar? Eu imaginava se iam insta-lo no meu braço ou na cabeça. Tenso.

Pois é, parece assustador, mas o futuro chegou! Nós temos um chip. Ele é mais conhecido como celular.

Além do vício em joguinhos, redes sociais e fotinhas. Sim nós somos monitorados. Numa conversa aleatória você fala para sua amiga que está com vontade de comer uma pizza gigante. E pá! Aparece vários anúncios e receitas de pizzas na sua rede. Sim o celular nos escuta. Já pensei até que o Zuckerberg ficava em uma salinha com fone escutando a todos. Hahaha (brincadeira) mas seria legal! E é mais ou menos assim que nos sentimos. Sendo espionados o tempo todo. Ele nos espiona, nos estuda, colhe informações e as vende para empresas de pesquisa. Meu Deus o Zucke é um terrorista cibernético! Sim e não. Sim por que realmente é isso que acontece, ele sabe de todos nossos passos, e não, ele não usa isso para nos prejudicar, e sim para evoluir sua rede, a tornar mais segura para nós usarmos.

Mas o lado obscuro, terrorista, vem em forma de fake News, de artistas vendendo corpos dos sonhos, viajando e ostentando um lugar paradisíaco enquanto o País sucumbi em pobreza. Mas isso não é culpa do espião, e sim nossa. De aceitar e seguir esse tipo de gente. E isso já uma outra pauta interessante. Voltemos!

Um assassino cometendo um crime, com o celular no bolso é no mínimo descuidado, pois vão acha-lo. a hora e a data e o local de onde ele estava. Não é diferente com nossas lembranças de anos atrás. Coisas que tenho vergonha de ter postado. Mas são guardadas e revividas. Algumas dá até vontade de chorar, Meu Deus como eu falava besteira, coisas sem sentido. Mas evoluí. E isso é bom, aprender com erros do passado nos torna fortes. E essas lembranças ajudam muito. Santo Zucke! Jogada de mestre! E já aconteceu com vocês de estarem morrendo de vontade de um yakissoba e olharem uma dessas lembranças e verem que há 2 anos naquele mesmo dia você comeu um? Sinistro. Acontece muito. Não dá para explicar. Mas a rede te mostra. Te joga na cara, coisas idiotas e boas lembranças também.

O celular também é gentil. Te acorda, te lembra do PIX que caiu, te leva a qualquer lugar que você quiser. Te responde tudo. Mas fato é que não somos nada sem o bendito. Senhas, fotos, documentos, e-mail, redes sociais, app de banco e compras. Nossa vida está nele. E quando as redes caem, ao invés de agradecermos ficamos paranoicos, sem chão, como se não existisse outra coisa no mundo para preencher esse vazio. Estranho e real.

E a tecnologia foi mais adiante. Apontando sua câmera para um QR CODE na tela da tv, aproveitamos promoções, nos inscrevemos em concursos, entramos em apps.

Somos dependentes. E eles nos monitoram. Ponto. O Apocalipse chegou. É nada. É uma forma de evoluirmos. Temos que usar isso para evoluir. Temos que dominar o Chip e não o contrário. Somos dependentes, mas sejamos conscientes.

Estando conectados nos encontramos, nos resolvemos. Tudo é rápido e prático. Eu amo fazer tudo pelo celular, e confesso que falo muita coisa perto dele. E ele me escuta em todas elas!

O mundo não vai acabar por causa do CHIP. Só estamos andando para frente. Para sermos melhores. E se ver um QR CODE, aponta e vai. Sem medo.

 

Um rímel, um café e um textão é a coluna semanal de Juh Hunzicker

Outras publicações

Rolar para cima