A primeira presidente do Brasil (não foi a Dilma)

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Em 2009, visitei o cárcere de Bárbara de Alencar, no centro histórico da cidade de Fortaleza. Em casa, vendo as fotos do lugar, não pude me furtar a lhe dedicar um poema. Há uma força estranha que se emana dali, um grito da história e da dor humana. Muitas vezes, lembrando-me do cárcere, incomum, à flor da terra, mas de pedra, pesado, vi-me murmurando: “O túmulo de Bárbara…” Logo em seguida corrigia-me, mas pensava primeiro em túmulo.

Eis o poema “O cárcere de Bárbara de Alencar”, eis como retratei aquele ambiente de sofrimento e de frieza, porque a história é fria, como as pedras que a conservam:

Eu vi o cárcere de Bárbara de Alencar.
No subsolo, a pequena cela de tortura:
Atrás das grades, pedras, paredes de pedras,
a cela onde um homem não cabe em pé.

Bárbara recebia uma só refeição por dia,
mas era muito: alimentava-se de pedras
e de orgulho ferido e erguido como bandeira.
As pedras eram cabras mansas para Bárbara

ordenhar: Bárbara tirava leite das pedras.
“Quem me pedirá contas de meus atos?
Meu marido, meus filhos, o meu Ceará?

Quem combate o bom combate não sucumbe.
Eu colho na derrota toda a minha vitória.”
Ouvi a voz de Bárbara, viva, nas pedras.

Esse poema está no meu livro “O sangue da terra”, publicado pela Secretaria de Cultura do Ceará em 2010. Saiu também em um blog do Cariri, onde amigos que o leram logo me disseram: “Mas você é daqui!” Sabiam que eu era paulista de Bauru, mas o orgulho nacional falava mais alto – o orgulho da nação do Cariri (grande região no sul do Ceará, onde há um conjunto de onze cidades, sobressaindo o Crato e Juazeiro do Norte).
Quando estourou a Revolução Pernambucana de 1817, Bárbara liderou o movimento no Cariri e proclamou a República do Crato, sendo designada presidente. Assim, Bárbara de Alencar tornou-se a primeira presidente de uma república brasileira (se não quiserem chamá-la de primeira presidente do Brasil). Os cearenses têm muito do que se orgulhar.

Num tempo em que as mulheres dedicavam-se às famosas prendas domésticas (prendas que as prendiam, restringiam, totalmente), Bárbara não apenas aderiu, mas pôs-se à frente da Revolução Pernambucana em seu estado de adoção, o Ceará. É o pioneirismo de uma mulher tomando as rédeas da história.

A Revolução Pernambucana durou menos de três meses. Bárbara foi presidente por apenas oito dias. Mas foi o bastante para marcar a sua presença na história.
Quando o romancista José de Alencar foi eleito Senador do Império, D. Pedro II vetou o seu nome. Apesar de já ter sido ministro da justiça, o imperador temia que trouxesse em seu DNA os genes revolucionários e republicanos de seu pai José Martiniano, de seu tio Tristão e de sua avó Bárbara de Alencar.

O Centro Cultural Bárbara de Alencar agracia todos os anos três mulheres, com a “Medalha Bárbara de Alencar. O centro administrativo do Governo do Ceará chama-se “Centro Administrativo Bárbara de Alencar”.

Luiz Gonzaga sempre saudava “dona Bárbara de Alencar”, nos seus shows no Cariri, onde sabia que a reverenciavam. No dizer do etnólogo potiguar Luís da Câmara Cascudo, a revolução de 1817 foi a mais linda, inesquecível, arrebatadora e inútil das revoluções brasileiras.

Dilma Rouseff não foi a primeira presidente do Brasil. Muito antes dela, na primeira metade do século 19, tivemos uma primeira presidente do Brasil, Bárbara de Alencar, revolucionária e presa política como ela. Os cearenses têm muito do que se orgulhar.

 

Outras publicações

Rolar para cima